Páginas

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Porque as vezes te quero tanto, que ter um corpo me atrapalha.




Você exige muito de mim.
Eu sinto como se você estivesse nas minhas mãos. 
Como se as suas alegrias e frustrações dependessem de um leve movimento dos meus dedos. 
Como se, caso eu respirasse por um segundo a mais, você pudesse explodir.
Como se, dependendo da frequência do meu piscar de olhos, você pudesse derreter.
Como se, caso eu pisasse em uma folha seca com o pé direito, mas não com o pé esquerdo, você viesse a se fragmentar.
E é tudo tão intenso, que diante disso, eu me paraliso. Sinto que não posso me mexer, ou posso te desmanchar. E não, você não é perfeito. Mas eu amo a sua imperfeição.
Já tive tanta taquicardia, outrora, que o meu coração está com câimbras. Então, parou de pulsar, obedecendo a um comando da minha alma. Auto-preservação da espécie.
O meu sangue já não corre pelas minhas veias. Ele caminha, de forma branda e amedrontada. Assim como eu, o meu sangue pisa em ovos. 
O fervor da minha alma queima a pele do meu corpo. E aí eu não sinto dor, desde que eu não me mova. Meu corpo deixa de existir, e sou pura alma. 
Cronologicamente, isso tudo dura um instante, é efêmero. Mas continua a ecoar pela eternidade.
Aqui, no cinza da realidade, você nada exige de mim. E isso me é quase insuportável. 
Porque as vezes, te quero tanto, que ter um corpo me atrapalha.  
Quero um beijo da tua alma, na boca do meu estômago. Agora, por favor.

21 comentários:

Cláudia Matos disse...

muito bonito e acima de tudo sentido!

Andressa disse...

Um beijo na boca do estômago dá "fome".

Giovanna Cóppola disse...

"Aqui, no cinza da realidade, você nada exige de mim. E isso me é quase insuportável."

Pura verdade.

Lívia Azzi disse...

O corpo cala aquilo que a alma fala!

A sensação de não ser exigida é insuportável...

Suporte?!

;-)

Mente Hiperativa disse...

Eu já tive uma garota nas minhas mãos, acho que ela era o sonho de qualquer cara pois não reclamava de nada, acatava todas as minhas decisões e mudanças, sempre concordava comigo, me perguntava o que eu achava de cada coisa que ela decidia fazer, deixava até eu sair sozinho pra balada.

Ela era IRRITANTEMENTE submissa às minhas vontades. Parecia perfeita, mas a perfeição enjoa logo pois não nos desafia.

regisarimajunior disse...

uma declaração exata.

que delicia que é poder te ler de tempos em tempos...

parabéns!

Ayanne Sobral disse...

Acredito que quando se vive a poesia, escrever é mera consequência.
Cada vez que venho aqui sou especialmente tocada pela verdade das palavras e pela beleza dos sentimentos. Isso me fascina.

Você consegue fazer poesia em uma prosa de vinte e uma linhas. Que continuam a ecoar pela eternidade.

Karla Thayse disse...

Que lugar mais lindo!

Encantada...

Leandro Santos disse...

há de se buscar o equilíbrio, do corpo com a alma, as volições de um depende do outro.

Lilian disse...

Amor é doença,fato
Cabeça não pensa coração padece e o corpo mais ainda.
=*

Camila Lourenço disse...

Cara, eu paro pra vc!Vc é muito boa!Puta que pariu, vc é boa demais!
Que texto é esse Alícia? Que texto é esse!PQP!
PERFEITO!!!!

Bjo!

A.S. disse...

Alicia,

Liberta teus desejos... sente todas as sensações, deixa-te levitar no olhar que busca o teu!
Não importa se o copo se quebrar!...:))


Beijos meus,
AL

Maria Helena disse...

A poesia mora nas suas entranhas. Ela sai naturalmente e vai deixando caminhos de sabedoria marcantes que nos mobiliza por um instante que se torna infinito. É a sensação que tenho a cada texto que leio aqui. É um rapto tão perfeito que quando encontro com a sua poesia os barulhos emudecem e eu só escuto a voz que vem da dasnça das sábia e tocantes palavras! Aplausos para você!

Ingrid disse...

tanto que não cabe no corpo..
beijos..

Fábio Ferrari disse...

Há vivência nessas palavras...

Paulo Becare Henrique disse...

Pelas barbas de Freud! Visitar seu blog é uma experiência cada vez mais intensa e arrebatadora. Saio daqui quase sentindo dor física - e isso é muito bom!

Carolda disse...

Te confesso que ler esse seu texto doeu bem aqui no fundo. Densidade é algo que sempre me atrai. Achei digníssimo.

Fulvio Ribeiro disse...

Alicia...

Tudo muito bonito aqui.
quero voltar outras vezes.
Grande Abraço.

Carla Diacov disse...

por isso.


beijos...

Marília Felix disse...

Saudades daqui!
Bjão Alicia.
:*

Idiótica. disse...

Incrivelmente lindo, e dá vontade de ler pra sempre, dá vontade de que seja infinito. Sim, seus textos tem esse poder.