Páginas

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Sobre céu, inferno, honestidade, ética, e amor, é claro.



Acho que é importante a gente escutar o que fala. Igualmente importante é ler o que a gente escreve. E aí ao me ler, dou conta de que só sei falar de amor. Quando criei o blog, o objetivo era poder falar de coisas cotidianas, articulá-las com pensamentos e fazer um link com as minhas pessoalidades. Mas lendo-me, só vejo amor, amor, amor, amor. Mas por que isso?

Pode parecer, mas eu não falo apenas do amor sexual. Falo é de todo e qualquer tipo de amor. Não costumo dizer a qual amor eu me refiro, mas é de todo tipo: de mãe à cachorro, passando pelo romance. Porque, sinceramente, eu acredito que o mundo está contido no amor. E olha que eu não sou romanticazinha (ao menos acho que não sou) ou “mimizenta” como dizem por aqui. Também não acredito em Deus. (Isso pareceu desconexo? Talvez tenha sido. Agora vai me dar trabalho...)

Quer dizer, eu acredito em Deus. Mas o meu Deus (sim, meu!) não é esse que a maioria dos cristãos falam. O meu Deus é amor. E se lhe parece que não falo nada de novo (porque metade dos carros da cidade dizem através de adesivos que Deus é amor), acho ótimo. Mas talvez o que eu considero como minha diferença seja, então, o meu conceito de amor. Não acho que amar seja oferecer a outra face, como dizem os cristãos (independente do quão metafórico isso seja!).

Pra mim, amor é essa coisa que te faz sentir vivo. Freud chamou de libido. Poderíamos até chamar de pulsão (uau, como estou atrevida). E é isso o que eu chamo de amor. Amor por irmão, por cachorro, por mãe, por sexo, por leitura, por trabalho, por romance, por vida. Amor por amor.

Então, amor, para mim, é vida. Vida, para mim, é Deus. Logo, eu acredito em Deus, afinal de contas, é o amor que rege a minha vida. Mas aí eu preciso dizer pra vocês que eu não acredito na Bílbia, o que faz de mim uma pessoa não-cristã.

E tem uma coisa que as pessoas fazem muito e que muito me incomoda, que é confundir cristianismo com honestidade. Talvez porque quando se é criança a gente acredita  que se for mau, não vai pro céu. Se roubar, matar, desejar a mulher do próximo, usar o nome de Deus em vão, vai pagar por isso, e vai doer. Mas eu acho que se você faz a coisa por interesse – para ir para o céu, por exemplo – isso já te tira a ética.

Eu faço as coisas certas simplesmente poque acho que o mundo já está cheio de injustiças e eu não quero colaborar com isso. Sou honesta por rebeldia. Sou ética por imoralidade.

31 comentários:

Teresinha Oliveira disse...

Esse teu post vai render trocentos comentários! Mas também creio no Deus multifacetado.Assisti ao documentário OCEANOS,e diante das FANTÁSTICAS imagens, disse: Deus é a própria Natureza.Em outras horas, sinto-0 Outro, como O renego em Realengo, e O vejo desperdiçado no
"As Mães de Chico"em produçãoruim
Falta de fé? Talvez.Coisa de ser humano, que apesar, ama e tenta.

Sandro Ataliba disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sandro Ataliba disse...

Belíssimo texto, e igual reflexão. Eu escrevo bastante sobre as duas coisas "amor" e "(acreditar ou não em) deus".
Concordo com tudo o que você disse, principalmente o fim. Essa ideia de que, se deus não existisse, o mundo seria mau, deixa duas opções: "ou ele realmente não existe (basta olhar para o mundo para perceber a maldade) ou a maioria das pessoas, por agir por interesse e não de bondade, irá para o tal inferno de qualquer maneira.

Thaís Alves disse...

Muito bom o texto. Estive falando sobre este assunto lá no blog também. A verdade é que em algum sentido este "Deus" cheio de regras presta um grande serviço à humanidade, e talvez justamente por isso tenha sido criado, porque muitas pessoas não podem ter ética ou serem bons o suficiente para viverem em sociedade sem que ele exista. Que bom é encontrar pessoas que estão livres destas amarras, que têm a sua própria espiritualidade e são bons, ou éticos porque fazem esta escolha e não para alcançar alguma coisa mais tarde. Beijos

Camila Márcia disse...

Ahhh... para mim Deus existe, as pessoas é que o ignoram. É tão comum se ignorar o outro, porque não poderiam ignorar Deus?

Creio que devemos fazer a coisa certa, mesmo vendo por aí tanta coisa errada.

Eider Fabrizio disse...

Ser honesta por rebeldia deu tom de perfeição ao texto.
Não por concordar com tudo, mas pela honestidade que de tão honesta, fica nítida.

Já eu, apesar de não ter o que chamam de religião, por uma fé misturada com um tom de rebeldia que já nasceu comigo, acredito em Deus, acredito na Bíblia(totalmente!) e por esse motivo, não acredito em inferno. (Não nesse onde eventualmente vive o diabo e as pessoas ardem em chamas, isso é coisa de desenho animado).

Idiótica. disse...

Interessante você acreditar no seu Deus e não acreditar no que esse suposto ''Deus'' escreveu ou falou em algum momento/parte da sua vida. Eu não acredito que Deus é amor, nem acredito que Deus é. Acho que uma pessoa não-cristã não acreditaria em nenhuma forma de crença ou algo maior, vejo muitas contradições no seu texto. E mesmo que você diga no começo que começou o blog pretendendo falar do seu cotidiano e falou mais de amor, a maioria das palavras que vejo no texto é::::::::amor (?). Você é romântica e não sabe rs..

Mente Hiperativa disse...

Eu entendo seu jeito de acreditar em Deus, também nunca fui de seguir religião alguma, até gosto de ler sobre elas, tiro alguma essência, algo de bom pra usar na minha vida. Mas meu lado espiritual é independente de religião, de Cristo, de Buda, de Alá, de Mãe-natureza, de Cosmos. Talvez eles sejam todos a mesma entidade focada de um ângulo distinto.

Prefiro acreditar em valores, na bondade, solidariedade, na paz, na sinceridade, e por que não, no amor. Amor sintetiza tudo que há de bom. Se as pessoas acreditassem mais no Amor do que nos preceitos de sua religião o mundo seria muito, mas muito melhor. Por isso eu acho que você está absolutamente certa.

Beijo

Lilian disse...

O amor de vdd está em apuros.
Que bom que temos nossa heroína Alícia através de prosa ou poesia pra salvá-lo.
A gente lê e o coração fica quentinho.
:)
Beijo.

Camila Lourenço disse...

Olha, eu vivo quase que diariamente com esses inferninhos reflexivos seus.
Tb já me deparei analisando meu blog. Já mudei jeito de escrever, como mudei como pessoa. Não vou entrar no mérito de Deus e Bíblia pq cada um sabe a verdade que lhe faz feliz acreditar.
Enfim...o meu Deus tb é diferente do que vejo mt gente pregar, mas isso é cosia minha, entre Ele e eu, e no fundo, eu sei que é isso que importa:Que Ele e eu nos entendamos.

Ah, e eu não poderia deixar de dizer que eu amei a frase com a qual vc encerra o texto: "Sou honesta por rebeldia. Sou ética por imoralidade."

Amei!

Beijo!

Fábio Ferrari disse...

Bem oportunas suas considerações. E vale lembrar que, em nome de "Deus", já se perseguiu, torturou e matou muita gente. Só olhar a História humana.

Portanto, ética e moral dependem, antes de tudo, da pessoa. Se ela segue ou não alguma religião, isso é secundário.

Lydia Llewelyn disse...

Até o plano de fundo é vermelho, a cor da paixão!!! ha

Marília Felix disse...

Ahhhhh, como é que pode?

Maravilhoso texto, Alicia!

Me perco e ao mesmo tempo, me encontro em cada linha. Adoro vir aqui falar com ela*

Bjão!

LuH disse...

O amor (sentido amplo) está em tudo mesmo.

Acho que muita gente va se identificar com seu post. Ele é limpo e claro.

Gosto da sua honestidade e ética, particpo tb dela

Abç

Maria Helena disse...

Não importa as cores que você veste o deu Deus. Não importa se não se sente romântica. Não importa se não é cristã... O que importa mesmo é a sua essência e o que vejo nela! Vejo sensibilidade, ternura, inteligência, criatividade, amor e, pasme! O Deus que habita no seu ser é bem visível para mim. Ele é liberdade, compaixão, respeito...amor. É isso que importa no final das contas!
Lindo e reflexivo texto!

Sααh Sousα' disse...

Não tem como a gente falar da vida sem comentar sobre o amor.
A vida é isso mesmo. Amar, querendo ou não. rs'

E Deus ... Eu também acredito. No meu.

Teus textos são tão sinceros, tão intensos cara. A gente ler e dá vontade de ler de novo. *--*

beeijoca ;*

Marcelo Henrique Marques de Souza disse...

O amor está muito mais próximo da pulsão do que do sexo.. aliás, simplesmente não existe amor no sexo..

Quando a Deus, acho um símbolo bem otário.. que acredita demais em si mesmo.. um símbolo por demais narcisista.. que merece o fundo do rio da poesia, pra deixar de ser prepotente...

(PS: muito bonitas as duas últimas frases)

Lívia Azzi disse...

Essa idéia de amor é vital e muito honesta, Alicia!

Já leste "O guardador de rebanhos" de Alberto Caeiro?! E "O cântico dos cânticos"?? Sinto que sim!!


;-)

Ayanne Sobral disse...

'Deus é aquele que, sem cessar, suscita em cada um de nós e no mundo a dinâmica perpétua de nosso desejo. Estamos em gênese permanente.'

Adoro ler Françoise Dolto, principalmente no que se refere a Deus, a fé, a psicanálise. E amor, claro. Para mim, essas coisas todas são uma só.
Também me incomoda muito perceber que algumas pessoas [ou religiões, sei lá] subvertem o desejo do ser humano ao codificar uma moral que não tem nada a ver com Deus.

Alicia, esse texto seu é de longe o que mais gostei. Rezei aqui. Estou pensando e tentando escrever sobre isso há um tempo, e você fez com maestria. Como sempre, aliás.

Pra mim, Deus é poesia. E eu amo poesia.

Fernando Lago disse...

Texto excelente, com alguns pontos que me identifico, outros que me desindentifico, outros que tento esconder a identificação, mas os outros me identificam, apontam o dedo ou perpetram atitudes similares. Enfim, isto é a vida. Ou a vida é isso.

Tive hoje de manhã discussões filosóficíssimas sobre o sentido da vida com uma amiga e percebi que a coisa toda é muito complicada. As dúvidas me consomem constantemente. As certezas, às vezes. Mas o que importa é que, pensando nelas, sabemos que, pelo menos, existimos para tal. (O nosso bom e velho "cogito ergo sum" - embora às vezes nos percamos nos pensamentos e chegamos mesmo a pensar que o "sum" do nosso "cogito" pode não ser assim tão sumo.)

Gente, eu não sei o que estou escrevendo! Típico!

Abraço!

Idiótica. disse...

''Pra mim, Deus é poesia. E eu amo poesia.''
Deus é escrita, verso, selo. Amor a gente aperfeiçoa debaixo dos lençóis, palavras não. Palavras são lançadas e são modificadas pelo próprio autor ou por outros, jamais aperfeiçoadas.
Fernando Lago eu ri com suas discussões filosóficíssimas na madrugada. Estou comentando mais uma vez porque o texto é tão bom que me deu vontade de vim ler de novo e interpretar direito e tentar disfarçar a prepotência do meu antigo comentário. Pois é, eu tinha acabado de discutir com a minha belíssima professora de Química Instrumental sobre bases elípticas e cones e ET's dentro de campos de milhos(?) e li erroneamente, realmente cada um interpreta o texto da sua maneira. E todos os seus textos são maravilhosamente bem escritos e suas palavras são tocantes e belas. Existem poucos, pouquíssimos que são capazes, eu admito que preciso de mutio café e tristeza pra escrever algo e minha visão de mundo é totalmente diferente e complicada de como os outro o veem. Enfim, só elogios. Beijos, aguardo o próximo post.
p.s: o vinho que escreveu isso tudo por mim. Beijo.

Julliany kotona disse...

A Amizade é a doce canção da vida,é a poesia da eternidade;
O amigo é a outra metade da gente
O lado claro e melhor,
Sempre que encontramos um amigo,
encontramos um pouco mais de nós mesmos;
O amigo revela, desvenda, conforta
É uma porta sempre aberta
em qualquer situação.
O amigo na hora certa, é o Sol ao meio dia,
estrela na escuridão;
O amigo é bússola e rota no oceano,
porto seguro da tripulação,
O amigo é o milagre do calor humano,
que Deus opera no coração.
Amizade doce canção da vida

Um grande beijo tenha um lindo fim de semana.

Danelize Gomes disse...

o teu texto foi lindo!
e a tua conclusão foi incrível!
Deus não existe é só ver o caos que existe!
Amor sim existe,mas está sendo ignorado pelo mundo consumista e capitalista que só visa fama,glamour e dinheiro!
O mundo de hoje é movido pelo interesse,por isso o ser humano é decepcionante!
AMEI o texto!

Carolda disse...

Olha que minha visão de amor também é bem essa: amor é vida. Coisa linda de viver.

Um beijo

Verô. disse...

AMEI CADA PALAVRA...

E nunca é demais falar de amor. Afinal, noticiários vivem falando desgraças... Então, fico com a sua "opção"!

:)

Cla disse...

Por um acaso, a idéia p esse seu post surgiu depois do meu comentário no face e no twitter ontem, em que eu afirmei q deus nao existe?? Rsrs

Aline disse...

o amor é o tema central de toda história, de toda boa musica...

Ph disse...

Belo isso.
E realmente, Deus pra mim também significa amor. Precisamos dessa coisa, mesmo que às vezes ela parece ser cruel.
Beijos.

regisarimajunior disse...

ah, o amor....
sempre esse tal de amor. e quer saber? se não o amor, o que dá motivos pra se viver?

certa vez alguém me disse: toda ação vem da boa intenção (q eu interpreto como amor). independente da consequência dessa ação, ela partiu da crença de que aquilo era certo àquela pessoa.

se for pra falar de algo, que seja do amor!

(é, vc sempre fala de amor, e eu adoro isso!)

um beijo!

Andressa disse...

Passei aqui pra dizer que AMO tudo que você escreve, poucas pessoas tem essa capacidade.

Paulo Becare Henrique disse...

Quando li esse post (no dia em que foi postado), pensei em um monte de coisas para comentar. Metade do que eu queria dizer já esqueci e a outra metade perdeu o sentido. Só estou fazendo esse comentário pra registrar que é o meu post favorito desde o último em que eu comentei.