Páginas

domingo, 6 de março de 2011

É. Carnaval pode ser muito legal. (A rima é banal. E daí?)



Tem vários tipos de "gentes". Gente legal, gente chata, gente inconveniente.

Tem aquelas pessoas que estão sempre felizes, ou parecem estar, ou parecem querer mostrar que estão. São insuportáveis. Odeio quem acorda de bom-humor, odeio quem sorri na segunda-feira. Odeio quem dá bom dia pra deus e o mundo. Odeio quem se contenta com pouco. (E a vida me é pouco). Odeio quem gosta da vida todos os dias.

Tem aquelas pessoas que estão sempre infelizes, e que fazem questão de mostrar isso. Você pergunta se tá tudo bem, e isso é por educação, e elas disparam a contar as misérias de suas vidas. Acreditam na felicidade alheia e por isso se acham dolorosamente injustiçadas por não terem suas gramas tão verdes quanto as dos vizinhos, que as pintam. Gente assim é muito séria e quer te convencer que sofre mais do que você. Não gosto de quem quer me convencer de que sofre mais do que eu. Nem de gente que quer me convencer de que é mais feliz do que eu.

Porque o que eu gosto, é de gente despropositada. De gente que é engraçada sem-querer, é trágica por acaso. De gente que fala como quem não quer nada. De gente que não quer nada. Simplesmente existe, simplesmente está ali, e simplesmente conquista. A gente sabe que simplicidade é coisa que dá um trabalho imenso. Até pra se vestir. Aquelas mulheres cheias de penduricalhos são horríveis. As de tom pastel também. Mas elegância é uma coisa que não se ensina e nem se aprende. Do mesmo jeito que acontece elegância com as roupas, acontece elegância com modos de viver.

Aí chega o carnaval. Gente que tem que mostrar que é feliz, que é bonita, que é mascarada e se diverte "horrores". Ou, então, aí chega o carnaval. Gente que quer mostrar que é inteligente, cult, intelectual e que odeia carnaval.

Pois o que eu odeio, são os extremos. Eu até gosto de carnaval. Odeio pagode, odeio funk, odeio escola de samba e odeio ratos de academia. (uau, estou espantada com a quantidade de coisas que odeio) Mas carnaval é um feriado longo. Dá pra viajar com os amigos, beber, rir, estudar. Adoro ter tempo. É verdade, eu sempre tenho, ou sempre deveria ter. Mas as coisas chatas da vida nos consomem demais. Ou, nós consumimos em excesso as coisas chatas da vida. E carnaval é isso. É tempo. De nada. Simples assim.

Me dá mais uma cerveja.


Imagem: deviantart

20 comentários:

Lívia Azzi disse...

"Que ninguém se engane, só se consegue a simplicidade através de muito trabalho". (Clarice Lispector)

Essa frase é tão incrível quanto o teu texto, Alicia!

E viva o tempo ofertado pelo feriadão de carnaval!! Afinal, amanhã nem vai ter a cara triste da segunda-feira porque ela estará alegre e fantasiada de sábado!!

;-)

Morbid_Angel disse...

Oi Alicia. Eu acho engracado msm as pessoas q tu cita ai no teu post. As primeiras, q parecem estar alegres o tempo todo, o q acho uma tarefa impossivel, afinal, sempre temos algum aborrecimento no dia a dia e naum, nem sempre dah pra desviar deles com um sorriso de orelha a orelha estampado na kra. Naum sei como naum se cansam. Tais pessoas, qndo se expressam na escrita, abusam das exclamacoes!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Pra provar, ateh msm numa simples pontuacaum, o qnto estaum "bem", gritantes. Pra mim, estas saum as mais infelizes, no fundo, mais infelizes do q as da segunda hipotese, q eu tbm naum me simpatizo. Eh cliche a frase, mas kda um sabe da sua propria dor e como lhe doe, o q pode parecer simples pra ti, pra mim pode ser algo gigantesco, portanto, naum julgo dor de ngm, jah tenho as minhas com q me ocupar e tbm naum creio q isso seja uma competicaum pra ver quem eh o mais coitado. Alias, acho isso abominavel. Ser coitado. Mas tem mta, mta gnt q gosta!
Qnto ao Carnaval, eu postei algo no meu blog mas foi mais por conscientizacaum msm, tanto q uma menina postou dzendo q gostava do Carnaval da rua dela, q era uma diversaum saudavel e talz e naum vi nada de errado com isso. Eh o msm lance do povo q critik o BBB as 24 hrs por dia pra parecer intelecto, mas assiste escondido durante a madrugada o Pay Per View. hahahaha.
Todo feriado e descanso eh bem vindo, seja Carnaval ou naum.
Abracos.

PS: Parceria feita, jah linkei seu blog a Cela.

bom feriado pra ti e mais uma cerveja aki pra mim tbm.

PauloSilva disse...

Odeio o Carnaval. E bem: eu sorriu na segunda feira e normalmente acordo de bom humor!

Não temos que gostar de tudo não é? :)

Um beijo *

Camila Márcia disse...

Errrrr esse negócio de sempre odiar é tão pesado!!! Mas eu acredito que não precisamos concordar e nem discordar de ninguém. O que precisamos é de opiniões próprias. Isso faz tudo a nossa volta ser diferente.

Bjus.

Arthur A. disse...

Às vezes é dificílimo evitar os extremos e seguir o tal "caminho do meio" que o budismo recomenda. Tenho a leve (mentira, é pesada) inclinação a estar no lado dos que posam de cult e intelectual... rs. Acho que perceber isso já é uma forma de ter um certo controle sobre.

Então, viva o ócio e as segundas-feiras com cara de sábado!

R.B.Côvo disse...

Também detesto esse tipo de gente que tu falas. E o carnaval vale por isso mesmo, pelo feriadão. Abraço.

Verô. disse...

Resumiu com louvor o que esta época do ano representa para mim:
TEMPO!

:)

Gisele Braga disse...

Querida, que texto belíssimo!
É muito bom ler e perceber
a sua visão dessa nossa
realidade, dessa nossa gente e
vida ai fora...

Me identifiquei muito*
tão triste se deparar
com gente que não
se mostra, nem vive
de forma completa*

Beijos flor

A.S. disse...

Alicia,

Adorei teu texto. Tuas palavras exprimem uma realidade bem patente.

Beijos,
AL

Van disse...

Adorei seu texto, Alicia
Verdade sempre é atraente.

hahaha Mas talvez você me odeie, acordo de bom humor, dou bom dia a todos, sorrio na segunda e acho alegria um exercício bom de se fazer, não me contento com pouco, mas não faço pouco de nada, acho tudo dádiva.
Não busco o convencimento de ninguém com meu bom humor, mas o sinto, é inevitával, graças a Deus.

Pra mim gente legal, nem são os bem humorados full time (apesar de ser mais agradável conviver com bom humor do que com o mau humor), legal mesmo, é gente sutil e equilibrada.

Sempre gosto muito do que vc escreve.

Beijos!

Marco C. Leite disse...

Pois é... gosto das pessoas pelo que eu posso fazer com elas.

Ser mais eu, ser mais elas, ser mais nós...

Quando alguém é só alguém e não quer nem chorar comigo mesmo estando feliz, nem sorrir comigo mesmo estando na fossa. Este ser não me serve.

As relaçõs me são muito melhores depois que aprendi que eu mais alguém é igual a 2, 3, 4, 5, sempre dependendo do que nós queremos que seja, e não do que simplesmente meu egoísmo ou o egosísmo do outro consegue permitir.

Um grande amigo meu me ensina muito através dos exemplos. Uma vez eu estava na fossa e ele me ouviu tudo o que eu falei. Depois com aquela cara de quem não tava nem aí e que aquilo não era mesmo o fim do mundo apenas me chamou pra tomar uma cerveja.

É assim, o que os dois fazem. Essa é uma amizade legal...

abraços

Ana disse...

Gostei do seu texto, principalmente na parte "Porque o que eu gosto, é de gente despropositada. De gente que é engraçada sem-querer, é trágica por acaso. De gente que fala como quem não quer nada. De gente que não quer nada" Amo pessoas assim e são elas que fazem do meu carnaval uma data feliz e cheia de risadas. Beijos.

Sahge disse...

Talvez seja uma irrelevância comentar isso, mas até ler este seu texto, não havia percebido como é necessário ter coragem para se admitir que odeia alguma coisa (do mesmo modo que em alguns contextos é preciso coragem para se admitir que ama algo)...Sobretudo coisas que são tão socialmente amadas sem serem mesmo questionadas se são dignas desse amor ou não.

Sinto que o carnaval é uma festa inócua (para mim) mas um feriado longo e útil também e compartilho o ódio pelas coisas que você alistou (e por outras que não vem ao caso) talvez com maior virulência, no caso do funk (argh!).

E embora pense também que na vida é apropriado algum equilibro, quer na tristeza, quer na alegria - acho que foi Goethe quem disse que "nada é mais insuportável do que uma sucessão de belos dias" - quer na tristeza, me permito, em se tratando de amar ou odiar algumas coisas a ser extremo.

Jéssica Caramori disse...

E não é que escrevemos sobre a mesma coisa, no mesmo dia? É a mesma sensação! Houve uma transmissão de pensamentos =)

Ph disse...

Realmente, coisa sem proposito essa de viver extremos e nem saber quem ser.

Andressa disse...

Adoro ter tempo.

Gabriella Beth Invitti disse...

Você escreve tudo.
Gente feliz demais, gente triste demais - "tudo que é demais, sobra, enjoa".
E a parte do carnaval... Ufa! Não sou a única.
Costumo dizer que, não gosto da festa do carnaval e, sim, do feriado.

Grande beijo!

Marcelo Henrique Marques de Souza disse...

Eu realmente odeio muito pouca coisa.. não porque não existam muitas coisas pra odiar.. mas porque existem bem poucas que merecem o mérito do ódio..

É como você disse: apesar da felicidade de plástico, o carnaval é um feriado. E dá pra relaxar um pouco das obrigações de trabalho e tal...

Beijos

Ayanne Sobral disse...

Carnaval pode sim ser legal. E a rima não é banal! rs

Adorei o texto.
Odeio pessoas sempre felizes.
Adoro pessoas simples.
Odeio pessoas sempre tristes.

Mas tem um tipo de gente que sempre escreve [lindamente!] aquilo que era pra gente ter escrito antes...
aí eu não sei se odeio ou adoro...
sou FÃ. Simples assim.

:)

Ana Claudia disse...

Ah, como eu adoraria ter pulado mais esse Carnaval... Esse ano não deu, mas adoro saber que foram dias bons pra tanta gente, como já foram dias ótimos para mim.
Me dá mais um bloquinho aí.