Páginas

domingo, 17 de julho de 2011

Escrevivendo intensamente





A gente vive com a cabeça na lua, por aí. Daí dizem que a gente tem que "viver o presente", pra poder viver intensamente. Lindo na teoria, né? Mas total fail na prática. É, porque ninguém consegue viver intensamente o tempo todo.

A gente precisa, de vez em quando, esquecer dos sentidos. Funcionar no piloto automático. É como se, então, o corpo funcionasse sem que estivéssemos, de fato, ali. É como se o cérebro pensasse e agisse por conta própria, sem a nossa real presença.

Acho que é por isso que eu gosto tanto de escrever. Porque é aí, que eu entro mesmo no meu corpo. Eu e mim. Eu, ativo, conjuga verbo. Mim, passivo, não conjuga verbo. Vejam só que interessante. Um ativo e um passivo. Um homem e uma mulher. (Não surtem, feministas! Não é o espermatozóide que vai em busca de um óvulo?) Um masculino e um feminino.

Descrita dessa forma, a escrita me remete à relação sexual. O meu eu penetra o meu mim. É, talvez seja um pouco isso. E então eu sou ninfomaníaca. Ardo de desejo por mim mesma, mas jamais me contento com o resultado. Leio e não gosto, leio e não gosto. Preciso sempre escrever mais. E não bastasse ser ninfomaníaca, sou ainda, exibicionista. Porque, sim, eu quero ser li(n)da.

20 comentários:

ilPagliacci disse...

Interessantíssimo!

ilPagliacci disse...

Dizem que existe uma dualidade (palavra bonita) no ser humano. A criação de um modo geral seria masculina, o refinamento, a reescrita, seria feminina. O trabalho encima de algo que já existe seria o feminino. Será?
PS: Quantas palavras bonitas.

Danelize Gomes disse...

Quanto mais se é lida, mais lida tu quer ser. Quanto mais se é lida,mais linda você fica.
Passivo e ativo mesmo. Afinal, é o espermatozóide que se gasta indo até o óvulo.
Viver sempre intensamente não tem a mínima graça, viver sem no risco não é essencialmente importante, às melhores coisas acontecem na calma da vida.

Sou tua fã,hihi *-*

LuH disse...

Ai ai... que lindo!
Ai ai... que linda!!

Sem contentamentos= inscrição=mais escrita= mais eu de mim...

Lindo! Lindo!Lindo!

Sabe qdo te aperta o peito que tu gosta? Pois eh...

JasonJr. disse...

Idem primeira postagem
eeee
desse jeito você vai ter orgasmos multiplos! rs
Tô brincando mas vai que rola mesmo!
Ui delica! kKk
Abraço mocinha e uma ótima semana né!

Marcelo Henrique Marques de Souza disse...

Gosto de procurar 'intensidades concentradas'..

E também sou viciado em escrever.. É o desejo, escravizado pela arte, pelo pensamento..

Ingrid disse...

busca sempre..
beijos linda.

Thaís Alves disse...

Passando para dizer que deixei um selo pra vc lá no meu blog. Um beijo!

Ayanne Sobral disse...

G-e-n-i-a-l!

Como é esse negócio de escolher as palavras exatas para mesclarem sentidos absurdos? De onde vem essa coisa assim, incoerente de tão certa?

A escrita te remete à relação sexual? Pois saiba, os orgasmos são nossos, seus leitores.

Fiquei achando que é por isso - por tudo isso - que eu gosto tanto de escrever também, essa penetração de eu em mim. Ah!

Alicia, hoje você me arrancou sorrisos. Saio daqui mais leve. E com uma vontade absurda de ter uma coletânea dos teus textos. Pra eu levar comigo. Pra eu levar, e te ler onde eu quiser. Em qualquer tempo [domingos, segundas, terças, sempre]. Porque tenho um desejo insaciável de te ler, tal qual o teu desejo de escrever.

Você é linda. E vai/merece/temque ser ainda muito, muito mais lida. Pelo mundo.

Beijos, querida.

natyscastro disse...

vc poooode ser exibicionista rssss maravilhoso texto. Boas férias!

Camila Lourenço disse...

RSr.
Bem a sua cara.
Curti.Rs

Bj

Teresinha Oliveira disse...

È isso mesmo :0) Linda, lida nessa terra de palavras.

BG disse...

Já te disse que aqui você é mais LINDA... e LIDA! Uma orgia real de palavras.

Vanessa Carvalho. disse...

É intenso quando conseguimos ser li(n)das.

Impulsiva disse...

Talvez este seja o texto do blog que mais tenha a sua "cara", não a face que nunca vemos, mas aquela que seus escritos nos mostra.

Lívia Azzi disse...

Esse li(n)da lembrou-me da Erica Jong na voz de Isadora dizendo que escrevia para ser amada...

Pois jura que você lê e não gosta do que escreve, mesmo, mesmo??! Essa sensação me parece tão familiar...

Você é linda!

Sandro Ataliba disse...

Muito legal este texto! Ideia curiosa e bem desenvolvida.

Paulo Becare Henrique disse...

Faz tempo que não comento por aqui. Diversos posts atrasados para comentar. Mas, acredite: todos li(n)dos. Estava com saudade dessa sensação de ler seus escritos, perder o fôlego e pensar: "porra, eu queria conseguir escrever assim!"

Gabriella Beth Invitti disse...

Menina, você é a minha alma gêmea!
Eu sinto como se tivesse escrito isto... em outras palavras, sinto que escreveria o mesmo. E morro de inveja por não ter escrito.

Você é maravilhosa!

Cassiana disse...

de fato você é
=)