Páginas

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Cuspindo palavras



Palavra cuspida
Sentimento sem medida
Dizer rasgado
Você desconfiado
Te amo com o que não tenho
Palavras fazem de  mim um desdenho
E é por isso que não posso dizê-lo
Te amo num atropelo
Não é segredo
No amor excedo
Trata-se de impotência minha
Isso mais parece ladainha
Mas não há Viagra no mundo
Que nem por um segundo
Me cure de mim
É, eu tenho um fim
E o meu fim, a palavra anuncia
(Palavra de amor é pura agonia)
O meu amor por ti é coisa diferente
É eterno , não é coisa de gente
Fica pra sempre - colado no universo
Palavra mente
Ainda que seja verso

11 comentários:

Luana Barcelos disse...

Lindo, adorei o poema,

Bjos, Luana Barcelos

Danelize Gomes disse...

Postou às 18:18 u.u
Adorei o poema, dona não toda! *-*

Catia Bosso disse...

Que intenso. Parabéns!

bjs meus!!

Rachel Nunes disse...

O amor é uma agonia boa.

Beijos

Rosângela Monnerat disse...

Mais tarde falo de amor. Agora falo com ela. Ela é quen diz. E com todas as palavras!...
Valeu, Alícia. Sempre vale!
Beijim!

Flavio Ferrari disse...

Precisava mesmo é de um argaiv ... rs

Bruniele Souza disse...

Uaaaau!
Adorei o dechamento do poema
"Palavra mente ainda que seja verso"
ótimo! Parabéns

Camila Lourenço disse...

Cadê vc que ñ anda cuspindo mais no twiter?

Ayanne Sobral disse...

Gente!
Não dá pra selecionar um verso ou palavra dessa poesia. Ela se completa de maneira tão exata do jeito que foi construída que seria impossível separar essas letras tão bem enredadas.

A beleza irradia do teu dizer, moça. Você cospe palavras de um jeito tão natural que o que diz só poderia ser lindo, nada mais. Tudo mais.

Um abraço de 'ay, que saudade!'
(:

Fernando Lago disse...

Belíssimo!

Priscila Lopes disse...

adorei.

gostei do ritmo,
do toque, o cheiro,
dos altos e baixos,
todos.

um beijo.