Páginas

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Lágrimas de Morango



Chorei hoje lágrimas de morango.
Fosse em outros tempos diria que eram lágrimas de sangue. Diria da dificuldade que a condição feminina implica em viver. Falaria que ser mulher é doído, e brincaria com as palavras doido e doído, numa tentativa desesperada de me salvar da minha própria veia dramática – vulgo mimimi.
Mas são outros tempos. O que não quer dizer que eu não tenha chorado lágrimas de sangue. Só que hoje foi diferente. Estava eu imersa num choro quase gostoso, desses que nos remetem à infância, desses que nos fazem soluçar, desses que te fazem ficar em dúvida se chorar faz aliviar ou se faz doer mais. Então, estava eu imersa num choro desses, e um pensamento mal-educado falou na frente de todos os outros. “São lágrimas de morango”.
Não sei bem o que é que isso significa, mas acalmou meu coração. Achei bonito e fiquei orgulhosa desse pensamento ter sido inconveniente com os outros justamente naquele momento. Morangos me acalmam. São vermelhos assim como o sangue, mas mais doces. Vão bem com tudo. De pratos light a calóricos. Contêm as letras de AMOR no nome. É, eu gosto de morangos.
E por algum motivo, também os morangos, assim como o choro, me remetem à infância. Talvez porque quando pequena eu tinha uma boneca que se chamava Moranguinho... Cheirosíssima ela era, aliás.
Hoje eu chorei infância. A minha, a das minhas irmãs e acho que a da minha mãe também. Hoje eu chorei mulher. Lágrimas de amor-ango. Mulher-ango. Ango. Angu. Lágrimas de bebê. Talvez todas elas sejam.

8 comentários:

Danelize Gomes disse...

E depois de ler o teu texto de menininha,pensei em "lágrimas de banana". o_o
Enfim, morangos são bons,bonitos e saborosos,assim com os amores.
Mas entre gostar de morango e gostar dos teus textos,eu prefiro os teus textos,me encanta mais o teu jeitinho docinho com uma pontinha de amargo no meio.
hihi ;*

Camila Lourenço disse...

Doce e sem barreiras.

Gostei do tom, Alícia.
Lindo texto.

Beijo.

Claudio! disse...

um questionamento sem pé nem cabeça vou te fazer: porque estava chorando? talvez a origem do teu choro tenha muita relevância com o sabor dele. lembro uma vez que chorei no ombro de uma pessoa, e ela me disse: "suas lágrimas são ácidas. Estão correndo minhas costas. Que dor é essa que te acomete?! "
Então acho assim: pra cada sentimento, uma essencia é adicionada e nossas lagrimas saem, coloridas, com sabor, com textura.

Tem umas que saem até com crocodilos!

Ivan disse...

Sua escrita é elementar. Para escrever um bom texto não é preciso um vocabulário arcaico ou palavras espinhudas. Você boa nisso moça!

Carolda disse...

Delícia de texto. Me deixou com uma vontade enorme de comer morangos, fruta que tanto amo. (:

beijo procê

Ayanne Sobral disse...

Lágrimas.


Eu choro daqui, Alicia.
Tenho chorado essas lágrimas.
Porque, mulher, estou me escrevendo. Descobrindo meu nome, meu rosto, meus passos.
Ontem minhas lágrimas foram de sangue. Provei, cada uma.
Hoje, ao te ler, ao ler essas palavras especialmente doces, chovi diferente. Morangos. Aprovei.
Então penso que até as minhas lágrimas de sangue eram/são sabor morango, tamanha a profundidade do meu drama que não me dava conta. Agora, vejo.
Isso, e muitomuito mais do que posso ver hoje, tem sido me mostrado através das tuas palavras. Dos olhos da tua alma.
Obrigada.

[Quando cê pensar em uma fãadmiradoraseguidora lembra: Ay. Sempre. Tem jeito mais não.]

Ayanne Sobral disse...

Acredite:
Esses dias me perguntaram o sabor da minha infância. Respondi: Morango.
É.

E hoje começo a desconfiar porque gosto tanto: tem amor no nome.

Beijo, queridíssimacomsuperlativoetudo.

Andressa C. disse...

Quando eu [eu-todo-mundo] vejo alguém chorando, dá vontade de chorar também. Quando leio um post sobre lágrima, dá vontade de... comer morango, claro.

Que doce. Lembrou-me meu primeiro aniversário, que foi da Moranguinho mesmo. E também me lembrou das sardinhas que eu tinha na foto da festa, da bochecha, do jeito desastrado e em busca de algum docim pra roubar antes do parabéns, da outra foto com a vovó onde eu olhava pra outro docim - este de morango com leite condensado. Lembrou-me de como eu era e de como eu sou, de como não mudei em nada, apenas cresci pro corpo guardar o estoque de coisas bobas que a gente insiste em acumular durante a existência, afinal, é pra isso que a gente aumenta, né? Esse negócio de alma caber lá dentro é desculpa, no final é pra caber mais morango, pra comermos mais morango, pra chorarmos morango e sangrarmos morango, coisa que neném não se preocupa em fazer porque é inocente demais pra sofrer, pra pensar. Pensemos mais morango.

[agora me deu uma vontade louca de rir porque lembrei do livro Morangos mofados. Tristeza mesmo é uma pessoa colocar um título tão feio numa fruta tão linda, né? Tinha que ser ele, de novo, hahahaha]