Páginas

quarta-feira, 14 de março de 2012

Escoliose na alma



Escrevo porque não sei cantar, não sei dançar, escrevo porque não sei. Minha existência me sobra, ou talvez me falte. Tanto faz. Minha existência não se encaixa na minha vida. Meu corpo não sei encaixa na minha alma. O que eu quero dizer não cabe na palavra. O mundo é um grande desencaixe, mas não era pra ser assim. É que sou torta. A vida é linda e simples. Complico tudo. Até amo. Veja só que absurdo, amar! É o que há de mais incoerente na vida, essa história de amar. Mas acontece, quero me perder nas entranhas daquele que por vezes, odeio. Quero beijar as tripas daquele que umas duas vezes por semana, quero matar. Seria tão mais fácil se eu não te amasse... Seria tão mais chato se você não existisse... Não sei me zangar com você e isso é um problema sério. Não sei se é preguiça, se amor, se é neurose ou se é vagabundagem minha. Simplesmente às vezes me basta que você esteja aqui. E isso é verdade e mentira ao mesmo tempo. Amo as minhas ambivalências, por isso não me curo delas. Elas são tudo o que eu tenho. Só peço que você suporte o meu amor e o meu ódio também, não abro mão de nenhum deles. Tento te poupar disso quando me calo, mas eu sei que você sente. Sou transparente para você, não vejo problemas nisso. E o fato é que se um dia, ou se muitos dias, eu me queixei da sua falta de palavras, hoje aprendi a conviver com elas. Acho que seus olhos são tagarelas. Mas às vezes você o emudece de propósito, e aí dói, mas aí eu sei que é de propósito e acho uma honra. O fato é que eu sempre quero causar reações em você, de qualquer tipo. Sorte minha que você é “do bem”, como dizem. Sei que você se acha um menino mau, e talvez até seja. Mas aos meus olhos, você é bom. Essa é a minha sorte. Porque meu bem, eu estou nas suas mãos. Mas não acredite nisso que eu estou dizendo, por favor.

7 comentários:

Anne Viturino disse...

Acho que foi o melhor texto que já li aqui... mas não acredite nisso que estou dizendo, por favor. ^^

Sandro Ataliba disse...

Se tem uma coisa que não te falta é habilidade com palavras. Deve ser por isso que você escreve.
Muito sentimento seus textos provocam em quem lê, mesmo que o texto não seja diretamente para nós.
Continue expulsando essa intensidade, pois ela se transforma em leitura muito agradável.

Nanda Melo disse...

Queria escrever como você.
Quatro palavras dizem isso, mas se eu quisesse realmente expressar o quanto eu queria escrever como você, eu precisaria de 4000000 palavras para isso. Mas, não tenho e não as sei dizer. Você saberia.
Gosto da escoliose que tem na alma. Ela te deixa fantasticamente interessante.
Opa! Também queria ter escoliose na alma.
Tenho cifose. Dificilmente consigo olhar para o alto. A curva pra baixo me pesa e me faz rastejar por vezes.
Então venho aqui e mergulho nos seus escritos.... e fico com inveja, de fato.

Boneca de Bolso disse...

Olá coleega! (:

Que tu escreves bem já deves saber, nós sabemos!
Mas o que te fazes escrever assim? O que te move? Qual teu segredo?


Há algo em seus textos que nos disperta e nos questiona com violência e sutileza.
Creio que o ponto central de tudo isso seja que tu escreves com tua própria alma e a estranheza e confusão que apresentas advém disso, pois é como ser dominado por um ser a que somos moradia e que volta e meia pega as rédeas e nos conduz a escrever... A escrita com a alma a escrita com amor. O amor é!


Bjo, bjo

http://bonecadebolso.blogspot.com/

Danelize Gomes disse...

Teu blog tá de sacanagem comigo, Alicia. Ontem eu tenho certeza que comentei e não tá aqui agora. Não importa, só serviu para que lesse teu texto mais uma vez. E como rotina, eu amei as tuas palavras. Tu escreve de uma forma que as palavras vão se juntando com o cérebro, coração e alma. Sei lá, é meio que um jeito de perfeição. <3

Ayanne Sobral disse...

Me senti em cada linha sua, me vi querendo roubar suas letras pra mim. E tô aqui, toda boba, achando tudo lindo. Tanto tempo que não fico assim: achando que sim, que a vida pode ser muito simples, que amores existem, que vale a pena - porque eu respirei amor, aqui.

Você brilha, Alicia. Tanto que seu brilho chega aqui, como se, de fato, vizinha minha você fosse.

Bruninha T. disse...

"Escrevo porque não sei cantar, não sei dançar, escrevo porque não sei. Minha existência me sobra, ou talvez me falte. Tanto faz. Minha existência não se encaixa na minha vida. Meu corpo não sei encaixa na minha alma. O que eu quero dizer não cabe na palavra"

Tirou as palavras da minha alma, de verdade.