Páginas

domingo, 16 de setembro de 2012

Confundindo alhos com bugalhos, mas o amor é meu, caralhos

Isso que chamam por aí de "química", eu chamo de amor.
Na verdade chamo muita coisa de amor e por isso falo tanto disso.
Acho que chamo de amor até mesmo aquilo que não é amor.
Meu ódio por você é amor, meu tesão por você é amor, a química é amor, as coisas que não entendo são amor, é tudo amor.
Então o amor não tem pra mim aquela dimensão mimizenta que vocês conhecem, de príncipe, princesa, felicidade, para sempre e blé.
Mas eu te amo, seu zé mané, e as vezes te amo tanto que fico com eca do amor que tenho por você. É um exagero, bastava eu te amar só um pouquinho e as coisas fluiriam muito melhor. Mas nãããão, sou exagerada, dramática e chata então te amo um tanto absurdo que é só pra azucrinar a sua vida.
Esse texto não tá nada poético, mas é que o meu amor nem sempre é poético, as vezes ele é bem arroz com feijão mesmo, e eu gosto que seja assim.
Então é isso, eu moro no exagero, mas prometo não te comer de verdade (que nem eu sempre quero sentir você no meu estômago) e prometo não sugar a sua alma, tá?

9 comentários:

Juh Martins disse...

Não é poético,mas se torna muito concreto quando você fala de amor.
Parece que eu posso tocar nos sentidos que você extrai.E isso é genial.

"Um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente ... e não a gente a ele!"
Mario Quintana

Ta explicado!!!
:*

Danelize Gomes disse...

Que coisa meiga isso, Alicia. Eu li rindo, Digamos que esse teu texto nada poético é fofo da tua maneira. Feito por ti pra gente, que nada somos de normais, meros mortais.
Nhac pra ti. <3

Nina disse...

Amor se confunde intrinsecamente em tudo. Por isso também é química, ódio e inúmeros outros. Tudo isso vem da nossa incapacidade de defini-lo e totalidade para senti-lo. Abraços.

Anônimo disse...

Muita pretensao,chamar isso de texto
Algumas poucas linhas de trivialidades,de fatos que vc mesma ja disse e redisse,e de coisas que vc poderia muito bem dizer para seu marido,mas sem a necessidade de se vangloriar dizendo ter um "novo" texto no. Blog.
aja prepotencia e arrogancia
A pessoa escreve qualquer abobrinha,e um monte de admiradores,tao vazios quanto,saem declarando admiraçao....
Esse é o Brasil da "incultura".

Loridane Melchior disse...


Arroz com feijão é uma delícia e seu texto também.

E por mim, você pode dizer milhões de vezes sobre o amor, sobre ódio, sobre mimimi, sobre o que for, que em todas elas vou ler e reler de uma forma diferente, seja com poesia ou não.

Porque para mim, texto bom é aquele que faz você lembrar de algo, reconhecer a si mesmo ou outrem, quem sabe até aquele que te faz viver por instantes o que nunca aconteceu.

É isso.

Um beijo A =)

Rafa :) disse...

Alicia, se você escrevesse apenas uma palavra aqui, já seria um texto lindo. Porque não escreve apenas com a razão ou com as mãos. Você escreve com o coração. Deixa passar o que não for bom...

Beijo doce pra você. ♥

Alicia disse...

Gente, vcs são uns lindos. Beijo pra todos, principalmente pro anônimo, que não me gosta e mesmo assim lê meu twitter, meu blog e ainda comenta! Muito amor, minha gente.

@Drika_Sipriano disse...

Arrasou no texto e no comentário Alicia!

Ândrea Fricks disse...

Esse anônimo é interessante, mas me incomoda um pouco ele não saber a diferença entre "aja" do verbo agir e "haja", do verbo existir que, acho eu, era o que ele queria dizer sobre prepotência e arrogância, que por acaso são palavras com acento circunflexo, esquecido pelo seu admirador secreto.
E o texto, Alícia, trivial e adorável!
:)